09/03/12 | 10:35
TECNOLOGIA A SERVIÇO DA EDUCAÇÃO

Entretenimento, informação e conhecimento fazem parte do cotidiano escolar moderno com a implantação dos Telecentros que estão sendo entregues aos alunos das 219 escolas da rede municipal de ensino. Na última quarta-feira, (07), foi a vez da EMEF Marechal Cândido Rondon, localizada na comunidade do Tarumã, Zona Oeste da Cidade, a ter acesso gratuito com o sistema wireless. O que antes era difícil virou realidade porque agora os alunos poderão “navegar” na internet gratuitamente e os mesmos poderão fazer seus trabalhos escolares na própria escola não tendo que gastar tempo e dinheiro para realizar suas pesquisas. Os mais de 600 alunos que possuírem um notebook ou até mesmo um celular moderno farão suas pesquisas utilizando o sistema de tecnologia sem fio. Este sistema moderno, sem dúvidas, facilitou a vida dos moradores daquela região.

De acordo com a coordenadora do núcleo, Pâmela Nunes, agora os alunos vão conhecer na prática como manusear o computador, ter acesso à internet e, ainda, participar das redes sociais.

“Fizemos o planejamento das atividades onde os alunos irão realizar pesquisas sobre informática, formatação de texto e trabalho com figuras. Já demos o primeiro passo e não vamos parar por aqui. Inclusive, muitos pais de alunos ainda estudam e o que queremos é criar estas parcerias trazendo-os para cá fortalecendo os laços entre escola e comunidade”, comenta.

As atividades na escola acontecerão nos três turnos. No horário da manhã as aulas começarão a partir das 11 às 14 horas (alunos) e das 17 às 19 (pais e comunidades).

De acordo com o Secretário Municipal de Educação, Mauro Lippi, todas as escolas da rede municipal irão receber ferramentas tecnológicas que ajudem no processo de ensino e aprendizagem. “Estamos investindo pesado, além das reformas que são necessárias, inserimos um novo conceito de como fazer educação nas escolas da capital. Acredito que logo estas tecnologias pedagógicas estarão à disposição de todos. Vale ressaltar que ano passado a Semed entregou para cada professor um notebook, e isso é um grande avanço. Os grandes beneficiados são os alunos porque aprendem com qualidade e estudam em escolas públicas que possuem os mesmos recursos tecnológicos em relação às escolas particulares. Creio que estamos no caminho certo. Enquanto estiver à frente da secretaria não irei medir esforços em oferecer uma educação de qualidade, informatizada e moderna”, afirma.

Até o final do mês cerca de 50 escolas serão contempladas com os novos espaços digitais. A meta da secretaria é priorizar a inclusão digital por meio do uso das novas tecnologias.

A EMEF João Goulart, localizada no bairro de Santa Etelvina, Zona Norte, foi a 18º unidade escolar a receber mais um Telecentro. Mais de 1000 alunos poderão participar das atividades oferecidas pela escola. Segundo o coordenador do núcleo, Mário Vander, as aulas serão ministradas no mesmo horário em que o aluno está matriculado, e o atendimento será nos turnos matutino e vespertino.

“Estamos organizando os horários porque a demanda será muito grande, e cada tempo de aula terá a duração de 45 minutos. De manhã as aulas serão ministradas para os alunos de 7h às 11h e pela tarde de 13h30 às 17h30. Já os pais e comunidade em geral terão acesso ao laboratório de acordo com o horário determinado pela direção da escola que será de 11h30 às 13h30, todos os dias”, afirma Vander.

O gestor da EMEF João Goulart, Manoel Dantas, estava muito contente com a inauguração do Telecentro. “ Este espaço é para todos aqueles que estão envolvidos diretamente no processo educacional, pais, alunos, professores e comunidade. Todos eles serão beneficiados e poderão usufruir do local”, diz Dantas.

Encerrando a maratona de entrega dos Telecentros, a primeira escola da zona rural a receber o espaço digital foi a EMEF Solange Nascimento, que está localizada na BR-174. Até mesmo as escolas mais longínquas da área urbana serão contempladas, é o que garante o Secretário de Educação da Semed, Mauro Lippi. “Com a implantação dos Telecentros nossos alunos poderão ter acesso à informação por meio das novas tecnologias, independente da localidade, inserindo-os no mundo globalizado. Muitos cursos serão oferecidos aos pais dos alunos, e o aprendizado será coletivo. Quem tiver um computador poderá se conectar com o mundo e aprende a cada dia”, diz.

Segundo o coordenador do núcleo, Rochel Luz, as atividades acontecerão no contra-turno. “Diferente das demais escolas da capital nós realizaremos as aulas em horários adaptados. Por exemplo: quem estuda de manhã fará as atividades à tarde e assim vice-versa. Mais de 1000 alunos serão beneficiados com o projeto aqui na zona rural. Nossa realidade é bem diferente das demais escolas porque antes os alunos tinham que gastar dinheiro com transporte e pagar para ter acesso à internet nas lan houses de outros bairros, e agora não é mais necessário todo esse sacrifício para se aprender”, comenta o coordenador.

A direção da escola informa que os interessados devem se cadastrar na escola para poder ter acesso ao Telecentro. As atividades serão ministradas nos turnos matutino e vespertino. Os alunos farão as aulas no contra-turno escolar e os pais e comunidade de segunda a quarta-feira, a partir das 17 horas.

Muitos alunos estão satisfeitos com o núcleo, é o que garante a aluna Daiana de Abreu, (14), estudante do 9º ano. “Ficou muito melhor para fazermos as nossas pesquisas. Lembro que tínhamos que pesquisar livros e era mais complicado para estudar. Antes tínhamos que ir para as lan houses gastar dinheiro e tempo, mas agora tudo está bem melhor. Estou ansiosa para participar dos cursos e aprender mais”, comenta.