26/11/13 | 16:41
Semed apoia projeto de inclusão social através da dança

Aproximadamente 160 crianças da Escola Municipal João Braga apresentaram o Balé Coppelia, no Teatro Amazonas, neste fim de semana. O espetáculo é resultado de uma parceria entre a Semed, a Associação de Belas Artes e a Secretaria de Cultura do Amazonas.

O projeto Belas Artes pretende resgatar a autoestima e autoconfiança de crianças, por meio da dança, para a construção de um ambiente escolar mais humano e participativo tendo como meta principal a inclusão social e a educação por meio da arte e da cultura, especificamente a dança, proporcionando aos jovens, igualdade de oportunidade no desenvolvimento do seu talento.

O grupo de dança composto por alunos da escola João Braga e jovens da comunidade foi criado em 2005 e se apresentou pela quarta vez no Teatro Amazonas. Este ano o espetáculo escolhido foi o “Ballet Coppelia”, uma obra cômico-sentimental com coreografia original de Arthur Saint-Léon. Este foi o primeiro balé clássico a incluir danças folclóricas como czardas, mazurcas e polcas.

O evento no Teatro Amazonas é resultado de uma parceria com a Secretaria de Estado da Cultura que há quatro anos apoia a associação. “Há quatro anos concorremos no edital de pautas para podermos realizar este evento aqui no Teatro Amazonas, por que entendemos que é muito importante essa estrutura física para a apresentação do espetáculo, além de ser uma realização do sonho de cada um dos nossos bailarinos”, afirmou a vice-presidente da Associação Belas Artes, Alessandra Campbell,

A vice-presidente ressaltou, ainda, que o projeto é extremamente importante para as conquistas pessoais dos alunos, pois o aspecto social traz uma perspectiva de melhoria de vida, além de diminuir a evasão escolar. “A Semed é uma grande parceira do projeto, pois sem o apoio da Escola João Braga, que cede seu auditório para as aulas, não seria possível a realização das nossas atividades” completou Alessandra Campbell.

Coppelia

 

O Ballet Coppelia tem 1h30 de duração, com 10 coreografias, solos e duos nos estilos balé clássico, baby class e balé moderno. Aproximadamente 160 bailarinos entre 4 e 19 anos, compõem o elenco do espetáculo que narra a história de Coppelia, uma boneca que de tão perfeita parece humana e, por isso, desperta a paixão em Franz, um rapaz nobre, que está noivo.

A bailarina Julia Laranjeiras, 13 anos, que já dança há cinco anos pela associação, é uma das protagonistas do espetáculo e estava ansiosa pelo abrir das cortinas para poder pisar no palco do teatro. “Lá eu me encontro, e na noite de hoje vou poder retribuir com todo o meu esforço nos passos de balé”. Júlia disse, ainda, que pretende cursar faculdade de dança para poder dividir com as crianças tudo que aprendeu.

A professora da Semed, Maria Cristina Marques, está cedida para a Associação Belas Artes e é uma das coreógrafas responsáveis pelo Ballet Coppelia. Ela falou sobre os requisitos para ser aluno do projeto. “O boletim escolar e a frequência são os principais requisitos para entrar no projeto que é oferecido prioritariamente para a comunidade. Hoje, são atendidas 160 crianças e para 2014 pretendemos abrir mais 40 vagas”, finalizou.