16/12/10 | 14:39
Promeapi comemora a conquista da Medalha Paulo Freire

 

A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), promoveu na última quarta-feira (15), às 19h, no Toscana Festas e Buffet, localizado no Conjunto Aruanã, Zona Oeste, evento em comemoração ao encerramento do ano letivo e a conquista da Medalha Paulo Freire. A premiação é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC) que reconhece e estimula as instituições de Ensino de Jovens e Adultos (EJA) em todo o Brasil, destacando os principais projetos relevantes na esfera educacional.

Este ano a Prefeitura de Manaus é o grande destaque no Prêmio Paulo Freire com o Programa Municipal de Escolarização do Adulto e da Pessoa Idosa (Promeapi), criado com o objetivo de diminuir o índice de adultos e idosos, com idade entre 35 a 93 anos, não alfabetizados e em situação de vulnerabilidade social.

Ao longo dos dez anos da implantação do Programa, mais de 5 mil alunos foram alfabetizados. De acordo com o Gerente de Educação de Jovens e Adultos da Semed, Mauro Roberto de Brito, a premiação com a Medalha Paulo Freire é o reconhecimento do trabalho da Prefeitura de Manaus em oferecer um ensino de qualidade em nossa Cidade, e também da equipe da Secretaria, professores , pedagogos e demais envolvidos. “É o reconhecimento nacional de nossos esforços na educação e escolarização de idosos”, ressaltou.

Na premiação, estavam presentes o Secretário Municipal de Educação, Mauro Lippi, o Representante do Conselho Municipal do Idoso, Luis Carlos, e o Presidente do Fórum de Educação de Jovens e Adultos (EJA) do Amazonas, Nilton Carlos Teixeira.

Na ocasião, houve a entrega simbólica de medalha aos professores participantes do programa e certificados aos alunos que concluíram o curso de alfabetização. Em seu discurso, o secretário Mauro Lippi enfatizou a importância de ações que promovam a qualidade de vida ao idoso. “É um prazer estar hoje aqui com os alunos do Promeapi, que também  são formados na escola da vida por sua experiência”, destacou.

Para Rubem Caldevilla Morião, 94 anos, representante dos alunos da Fundação Dr. Thomas, as atividade realizadas em sala de aula são muito estimulantes. “Não tive a oportunidade de estudar quando criança, porque precisava trabalhar, e tudo o que sei aprendi com a vida”, enfatizou.

Durante programação, foram sorteados brindes aos convidados, além de participação de bandas musicais, apresentação de coral dos alunos da Legião da Boa Vontade (LBV), peça teatral da Paróquia de Santo Antônio e músicas com a classe da Igreja Universal.

Reportagem: Amintha Ramos