07/11/14 | 15:24
Projeto de Horta Escolar beneficia 600 alunos e garante HTP para professores

A Escola Municipal Nilton Lins, zona Norte, oferece aos 600 alunos da unidade aulas práticas de noções de plantio de mudas por meio do projeto da Horta Escolar. A inciativa modelo acontece devido ao cumprimento da Hora de Trabalho Pedagógico (HTP) dos professores de 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental da unidade escolar, conforme aprovado em lei em maio deste ano.

A HTP deve ser usado pelo professor para refletir sobre a prática docente, planejar as aulas e participar de formações.

O pedagogo da escola, professor Walfredo Rego, explica que a ideia serviu para resolver duas problemáticas de uma única vez: possibilitar a HTP dos docentes e ensinar os alunos a terem respeito e familiaridade com o meio ambiente, ou seja, enquanto os estudantes estão nas aulas práticas, os professores estão em Hora de Trabalho Pedagógico.  Além disso, as verduras plantadas ajudam a incrementar a merenda escolar.

“Hoje nossos alunos comem na merenda frutas e verduras plantadas aqui na horta da escola. Na semana passada, comemos um mingau de banana delicioso. Acredito que essa ideia foi inovadora, pois unimos o útil ao agradável desenvolvendo uma atividade extracurricular interessante e importante, que ao mesmo tempo possibilita que o professor tenha seu HTP”, afirmou Rego que além de profissional da educação é envolvido com as causas ambientais do Estado, inclusive com cinco livros publicados sobre o tema.

A ideia da horta nasceu em 2013, mas a partir do início deste ano que ganhou força por meio da parceria da escola com a Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror) e Instituto Federal do Amazonas (Ifam), que ofertaram as mudas e conhecimento técnico e teórico de plantação, além de verba do Programa Mais Educação que possibilitou a compra de ferramentas, terra preta e adubos.

Era um espaço ocioso

A horta da escola Nilton Lins está instalada na lateral do prédio, num espaço com mais de 100 metros quadrados. O local tem plantas ornamentais, medicinais e frutíferas. No mês de setembro foram plantadas 12 árvores entre açaí, acerola, manga e cupuaçu. Além destas, tem pé de tomate, abóbora, cheiro verde, cebolinha, pimentão, chicória e repolho. Os professores e alunos tomam chá de capim santo colhido no próprio jardim da escola.

“O espaço era ocioso e utilizamos para algo interessante. Infelizmente, vivemos uma época que as crianças não têm simpatia nenhuma com as coisas da terra e aqui nós os ensinamos a gostar e valorizar o meio ambiente. Hoje eles passam e dizem: essa árvore fui eu quem plantei”, observou o diretora da escola, José Augusto Prazeres.

O responsável pelas aulas práticas é o professor Williams Cunha, do 3º ano, que também é técnico agrícola. Ele explica que o aprendizado é feito em dois momentos. Em sala de aula os estudantes aprendem a teoria, conhecem os tipos de plantas e adubo, e na horta eles colocam em prática o conteúdo aprendido.

“Aqui na horta é a hora da prática e eles adoram. Muitos deles só viam essas verduras no supermercado, mas hoje têm contato semanal com elas. Os próprios alunos que cuidam das plantas. Eles aprenderam a semear e cuidar. É um trabalho bem bacana e muito deles estão apaixonados”, afirmou.

O aluno Klaymon Araújo, 9, aprendeu, na escola, como fazer todo o processo de semeadura, desde cavar até regar com água. Ela contou que na casa de sua avó, plantou uma parreira que já está dando uvas.

“Eu cuidei dela igual como aprendi aqui e ela já está dando fruta. Eu gosto de cuidar de plantas. Perto da minha casa tem um pé de tomate e eu todo dia vou lá regar”, disse.

Isabelly Christine, do 3º ano, ensinou como se planta uma árvore. “Primeiro faz o buraco no chão, mas não pode ser muito fundo. Depois coloca a semente, cobre com terra preta e rega com água. Todo dia tem que regar senão ela morre de sede”, contou.

TEXTO: Thiago Botelho

FOTO: Lton Santos

Secretaria Municipal de Educação (Semed)

Assessoria de Comunicação (92) 3632-2054