13/08/14 | 17:31
Projeto Aprender, Conviver e Lutar é homenageado no 15° Simpósio Educação em Questão
Lutador de jiu-jitsu, faixa preta, campeão mundial e professor de Educação Física, Ronnie Melo, Coordenador do Projeto Aprender, Conviver e Lutar, da Secretaria Municipal de Educação (Semed), que utiliza a arte suave como ferramenta pedagógica, foi homenageado, na manhã desta terça-feira,12, durante o ‘15° Simpósio Educação em Questão: relatos de superação, realizações e conquistas’, realizado pelo Fórum de Educação do Amazonas (Feam). O evento reuniu educadores de todo o Estado no Auditório Belarmino Lins, na Assembleia Legislativa do Estado (ALE).
Emocionado, Ronnie afirmou que o prêmio concedido pela Feam é uma demonstração de que o Projeto Aprender, Conviver e Lutar está gerando bons frutos.
“Nós (do Projeto Aprender, Conviver e Lutar) ficamos muito felizes pelo reconhecimento do nosso trabalho por parte da educação. Até porque o nosso foco maior é o processo de ensino e aprendizagem das crianças. Hoje, nós temos 560 alunos e já nesse final do mês vamos abrir uma escola na zona rural e chegaremos perto de mil alunos. É um projeto grande e audacioso. Eu amo a educação física, eu amo o esporte e acredito que isso fez o projeto ser exitoso. Essa homenagem se estende a todos os meus colegas professores de educação física da rede municipal de ensino”, disse.
O 15° Simpósio Educação em Questão se propôs a destacar práticas esportivas que tiveram êxito como ferramenta pedagógica nas escolas públicas e privadas do Estado do Amazonas e também pessoas que se superaram na vida por meio do esporte. Além de Ronnie Melo, foram homenageados também a ginasta Bianca Maia e a judoca Rafaela Barbosa.
Destaques de superação

Durante o evento, as Escolas Municipais Solange Nascimento, Maria Leide Amorim, Rainha dos Apóstolos e a Escola Indígena Kenata T-ykua, também foram homenageadas como exemplos de superação em educação.
A Gerente de Educação Escolar Indígena da Semed, Meire Lane Araújo, explica que o prêmio foi concedido à Kenata T-ykua por ela ter sido a primeira Escola Municipal Indígena reconhecida por lei.
“A Escola Kenata T-ykua é a antiga Três Unidos. Como ela foi recentemente reconhecida por lei como Escola Municipal Indígena, o nome também mudou. É uma escola indígena com um gestor indígena, com professores indígenas e que trabalha de uma forma interdisciplinar a  valorização da cultura indígena, mas sempre em consonância com o ensino regular. Esse é um dos motivos dessa homenagem”, falou.
Raimundo Kambeba, diretor da Escola Indígena, conta que a comunidade está em festa pelo reconhecimento.
“Nós tivemos vários momentos de superação, mas posso destacar o apoio dado pela Semed à educação indígena – que nós víamos lutando há muito tempo -, o trabalho pedagógico que respeita a cultura do povo indígena, outro foi a construção do prédio escolar  e por fim o decreto regularizando a nossa escola como Escola Municipal Indígena Kanata T-ykua, que na nossa língua significa luz do saber. Hoje, nossa comunidade está em festa”, disse.
TEXTO: Thiago Botelho
FOTOS: Cleomir Santos
Assessoria de Comunicação da Secretaria Municipal de Educação (Semed): 92 3632-2054