28/11/11 | 15:11
Programa Escola Aberta

Com um atendimento de 386 alunos, entre crianças, moradores e jovens, a Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Nova Vida, bairro Mauazinho, abre suas portas no fim de semana para diversas atividades do Programa Escola Aberta, uma ação do Governo Federal.

O objetivo do programa é contribuir para a melhoria da qualidade da educação, a inclusão social e a construção de uma cultura de paz. O Programa Escola Aberta busca fortalecer a integração entre escola e comunidade, ampliar as oportunidades de acesso a espaços de promoção da cidadania e contribuir para a redução da violência escolar em unidades localizadas em regiões de risco e vulnerabilidade social.

A EMEF Nova Vida está incluída no programa desde 2007 e promove todos os sábados em tempo integral as chamadas “oficinas” que oportunizam aos alunos da escola e comunitários uma interação que une cada vez mais ambos os seguimentos, assim discriminados: Instrumentos musicais, artesanato e bijuterias, reforço português 1, informática 1 e 2, oficina de futsal mirim, escoterismo, handebol 1 e 2, futsal masculino e informática 3.

A escola realizou, ainda, o campeonato de futsal infantil, com 60 participantes, além do handebol mirim, infantil e aberto, com 112 participantes, dança com 120 alunos, torneio de tênis de mesa, com 102 comunitários, entre outras atividades.

“A maior satisfação que temos aqui é tirar as crianças da rua, pois com todos os projetos realizados na escola proporcionamos lazer e melhor formação para esses jovens. O Programa Escola Aberta dá essa contribuição financeira, mas principalmente social para a comunidade do Mauazinho”, explicou o Coordenador do Programa na EMEF Nova Vida, Professor Francisco Torres.

O coordenador diz que o trabalho do Programa Escola Aberta vem tendo resultados positivos, com os alunos e comunitários e cita a realização da Feira de Artesanato, com a confecção de produtos que proporcionaram a venda dos materiais para a compra de equipamentos, uma máquina fotográfica, troféus e medalhas para os torneios desenvolvidos pelo programa. “Nós ficamos felizes, isso é uma conquista simbólica, mas muita significativa”, contou.

Superação

Maria Adenilza Mutimo Andrade, 37, aluna da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da EMEF Nova Vida é uma das alunas da oficina de informática do Programa Escola Aberta. Ainda na quarta aula, Maria Adenilza que imaginava tocar nas teclas de um computador, realiza seu sonho em meio aos compromissos para cuidar de sua casa. “Eu quero aprender a usar esse computador. A primeira vez que eu vim estava nervosa e quando mechia no mouse ele ia pra cima e pra baixo. Agora não, eu to sabendo como usar e dividir o trabalho que faço com meu filho especial e cuidar de minha casa e, ainda, vir para o colégio e no final de semana to aqui para aprender. Realmente, é com muito esforço que pretendo no final superar tudo isso”, explicou.

EMEF Rui Barbosa Lima

Localizada no Armando Mendes, zona Leste de Manaus, a unidade educacional atende cerca de 215 alunos, entre jovens da escola e comunidade. O Programa Escola Aberta ocorre durante o dia inteiro com oficinas de Ráfia (confecção de bonecos de pelúcia), Capitanê (almofadas e bolsas em tecido), bijuterias, Corte e Costura, Dança do Ventre, Hip Hop, Futsal, Aula de Reforço em Português e Matemática e Informática.

Segundo a Coordenadora do Programa na EMEF Rui Barbosa Lima, Vanuza da Silva Vieira, a participação das crianças e comunitários é muito boa, pois o resultado das atividades que são feitos nos finais de semana mostra que, aos poucos, eles estão assimilando o aprendizado nas oficinas.

“Nós temos aqui alguns produtos que são confeccionados pelas próprias mãos das pessoas aqui. Isso é valoroso ver que todos têm sua capacidade e só faltam a oportunidade para mostrar esse valor, coisa que o programa e a nossa escola oportuniza para todos”, concluiu.

Dados

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) conta com 50 escolas participantes do Programa Escola Aberta, com 20.424 alunos/comunidade, uma coordenadora interlocutora para coordenar a implementação e execução do Programa na Secretaria e nas unidades da rede, elaborar e realizar ações de qualificação de atores e atividades das escolas, além de organizar e manter disponíveis os registros do Programa. Contamos ainda com os assessores das Divisões Regionais Educacionais (DREs) e 10 supervisores responsáveis para acompanhar, orientar e apoiar as atividades das unidades escolares durante o final de semana; fornecer, recolher e sistematizar as informações das escolas; e promover a troca entre as unidades escolares e a secretaria, facilitando a comunicação.