18/06/13 | 12:50
Programa Educacional de Resistência às Drogas da Polícia Militar formou 150 alunos da Escola Municipal Thomas Meirelles

Gritos de guerra, alegria e premiações. Esse foi o cenário da formatura da primeira turma de 2013 do Programa Educacional de Resistência às Drogas na Escola Municipal Thomas Meirelles. O evento foi realizado na manhã de hoje (18), na quadra da unidade de ensino que estava lotada de pais e estudantes. O curso que é coordenado pela Polícia Militar, formou 150 alunos do 5º ano.

As aulas duraram três meses e abordaram os temas drogas e violência na sociedade. Foram mostrados os males de ser um dependente químico e como as drogas se inserem dentro da comunidade escolar.

“O curso sensibiliza o aluno para não entrar no mundo das drogas. Eles aprendem o mal que faz usar esses entorpecentes, além de melhorar o relacionamento entre eles. O comportamento também melhora, já que, os alunos tem um acompanhamento militar e aprendem a importância da disciplina, ordem, organização e respeito” afirmou a diretora do Thomas Meirelles, Professora Maria Ibiapina.

Para a aluna Carolina Correa, de 10 anos, que recebeu premiação por ter a melhor média de notas do 5º ano, o curso do Proerd já foi levado da sala de aula para o ambiente familiar. “Eu aprendi a resistir às drogas e dizer não a violência. A droga estraga a vida da pessoa, joga a pessoa no buraco e para sair de lá é difícil. Hoje eu falo sobre o que aprendi pra todo mundo na minha casa”, falou.

O que é?

O Programa Educacional de Resistência às Drogas nasceu nos E.U.A e atualmente é desenvolvido em 40 países. No Brasil, o Proerd foi implantado em 1997 e já ganhou adesão em mais de 20 estados. No Amazonas vem sendo desenvolvido desde 2002. Nesse período, já atingiu mais de 100 mil estudantes em todo o Estado.

O objetivo é ‘abrir os olhos’ dos jovens e seus responsáveis sobre os malefícios das drogas e ensiná-los a dizer não para esse mal. Segundo a coordenação do curso, o acompanhamento dos pais é de suma importância.

“Pais acompanhem seus filhos. Olhem com quem eles andam e vigiem. Filhos ouçam os seus pais, eles só querem o seu bem”, falou em seu discurso o Major Márcio Lima, Comandante da 3º Companhia Interativa Comunitária (CICOM).

O autônomo João Vicente, pai da aluna Vitória, do 5º ano, fez questão de participar da formatura do Programa. Ele acredita que a luta contra as drogas deveria ser uma política constante nas escolas do país.

“Quem dera que esse programa fosse permanente e chegasse a todas as escolas do país. Esses 150 alunos com certeza no futuro não se envolverão com drogas e isso já é uma vitória”, falou.