14/02/11 | 12:00
Prefeitura inicia curso de escolarização de idosos no Manôa

Guiomarino Mendes tem 79 anos e nunca colocou os pés em uma sala de aula. Nascido na cidade de Santarém (PA), ele conta que a falta de escolas e estrutura naquela cidade o impediram de ter acesso à educação. Na manhã desta segunda-feira, muitas décadas depois, ele teve a oportunidade de começar a recuperar o tempo perdido. Ele é um dos 30 alunos matriculados no Programa Municipal de Escolarização do Adulto e da Pessoa Idosa (Promeapi) do Centro de Convivência do Idoso do Manôa, Zona Norte da cidade.

“Estou muito feliz. É um sonho poder aprender a ler. Vai melhorar muito minha vida. Não vou precisar pedir pra ninguém ler as coisas pra mim, e não vou depender das pessoas para pegar ônibus”, falou sorridente.

O curso tem duração de três anos e oferece formação do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental, com metodologia e material didático diferenciado.

“O objetivo do Promeapi é promover inclusão por meio da educação e reduzir o índice de analfabetismo da classe idosa. Temos parceria com várias instituições. Havendo demanda eles nos encaminham um ofício e iniciamos as turmas”, disse o Gerente de Educação de Jovens e Adultos, da Secretaria Municipal de Educação (Semed), Mauro Brito.

As aulas serão ministradas de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 12h, pela professora Manuela Amazonas, que há sete anos trabalha com educação de idosos. Para ela iniciar uma turma é sempre um novo desafio.

“Eles têm muitos problemas com desmotivação, sempre pensam que não vão conseguir aprender. A estratégia é o relacionamento: sempre conversar, tentar ser amiga e até ligar se necessário. Pra mim é uma enorme satisfação. Eu ensino eles a ler e eles me ensinam suas experiências de vida, no final eu aprendo mais do ensino”, afirmou. 

Saúde

Segundo a Chefe de Saúde do Idoso, da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Georgina Sarkis, educação do idoso é também uma alternativa de prevenção de saúde.

“Quem tem educação tem mais facilidade de se preservar. Além disso, as aulas vão ocupar a mente deles, o que se torna uma arma no combate a doença de Alzheimer”, enfatizou.

 

Sonho

Creuza Protázio, de 55 anos, tem um objetivo bem definido: terminar o ensino médio e depois cursar faculdade de pedagogia. “Quando era criança comecei a estudar, mas logo parei. Sei ler muito pouco e aprendi mesmo com meu esforço”, disse ela, que também começou a estudar nesta segunda-feira.

Trabalhando há 15 anos como serviços gerais na Escola Municipal Mãe Mestra, ela conta que um o sonho de ser professora brotou em seu coração. “Tenho vontade de trabalhar na educação infantil. Minha família me apóia muito e se Deus quiser vou conseguir”, garantiu.