30/05/12 | 17:08
Mobilização Ninguém Fora da Escola acontece em todas as zonas da cidade.

Criado com o intuito de combater a evasão, a III Mobilização Ninguém fora da Escola (MONIFES), aconteceu nesta terça-feira (29), em todas as zonas geográficas de Manaus, em escolas que atuam no período noturno.

A atividade iniciou em 2011 na Secretaria Municipal de Educação com o objetivo de mobilizar todas as Escolas do Ensino Noturno Municipal para combater a evasão e buscar meios para manter os alunos na escola.

Aulas diferenciadas e dinâmicas em torno da temática “A Escola na construção da cidadania” foram desenvolvidas nas escolas municipais envolvendo representantes da secretaria, professores, alunos e equipe técnica das unidades.

Na Escola Mul. Joaquim da Silva Pinto, no bairro do Crespo, mais de 200 alunos do 6° ao 9° ano e da Educação de Jovens e Adultos participaram de atividades como: vídeo motivacional, apresentação de rendimentos, apresentações musicais, danças e rap da escola. Os alunos também puderam participar das oficinas de alimentação saudável, jogos de língua portuguesa e de matemática, reciclagem, jogos (futebol de botão, dama, xadrez, gamão, bingo, tênis de mesa) e Lanche musical com o DJ Diretor.

De acordo com o gestor, Manuel Porto Galvão, a escola participa pela terceira vez do Monifes e tem ajudado a estimular os alunos do ensino noturno.

“O turno noturno já apresenta a dificuldade para manter os alunos na escola. Neste momento estamos com a enchente que afastou um pouco da nossa clientela, além do fato que muitos alunos começam a trabalhar e desistem da escola. A mobilização desperta nossos alunos, incentivando-os a continuar os seus estudos”, destacou o gestor.

“Eu não acho difícil estudar à noite. Estudo com prazer” ressaltou a aluna do 7° ano de 77 anos, Maria Faustina Costa dos Anjos.

Para ela, que não teve a oportunidade de estudar quando jovem, a escola representa um mundo a ser descoberto. “Voltei a estudar há pouco tempo. Aqui nesta escola fiz o 4°, 5° e 6° ano e agora estou no 7° ano. Este evento ajuda a tocar no coração, principalmente dos jovens. A pessoa idosa é igual a um relógio, se parar de trabalhar, não funciona mais”, afirmou a aluna.

A professora do EJA, Maria Lúcia, acredita que a base do trabalho noturno é a valorização do aluno. “Temos que passar aos nossos alunos que eles vão conseguir ultrapassar os obstáculos e melhorar as suas vidas, até mais do que nós professores. Fazer com que o aluno se veja em uma posição melhor no futuro. No turno da noite apesar do cansaço é o horário que relaxo, pois me sinto muito bem com meus alunos do EJA”, ressaltou a professora.

Palestras informativas, poemas, músicas e apresentações culturais foram algumas das atividades desenvolvidas na Escola Municipal Eliana Lúcia Monteiro da Silva, no bairro do Santo Agostinho.

A Diretora do Departamento de Gestão Educacional, Wissilene Brandão, enfatizou sobre a importância da mobilização.

“O Monifes é uma proposta da secretaria quanto à evasão por meio da realização de atividades desportivas, culturais e pedagógicas. Mobilizar para sensibilizar, envolver comunitários, professores e alunos nesta luta. Iniciamos com o encontro dos diretores do ensino noturno e agora estamos fazendo este evento que envolve todos os públicos do turno noturno. Neste ano, ampliamos para a participação de 11 escolas  no 2° segmento do EJA (6° ao 9° ano) e a nova proposta curricular já atende esta demanda”, reiterou a diretora.

Segundo o gestor, Paulo Ferraz, um dos principais motivos da mobilização é o combate à evasão. “Precisamos refletir sobre o tema: ensino noturno e buscar meios para estimular nossos alunos a permanecerem na escola. Eu acredito que poderia ser criado em cada zona da cidade um CEMEJA como temos na Zona Leste voltado unicamente para este público. A maioria dos nossos alunos são trabalhadores que vêm para as aulas depois de um dia longo de trabalho – já são vencedores. Com o evento buscamos sair da mesmice e do habitual e atrair nossos alunos para a escola novamente”, afirmou o gestor.

Como parte de uma gincana que será realizada no sábado letivo, alunos do ensino noturno sairão em uma comitiva pelas ruas do bairro Santo Agostinho em busca dos alunos do 6° ano que evadiram da escola. Ao encontra-los entregarão uma cartinha ao responsável/aluno com uma mensagem e convite ao mesmo para retornar às aulas ainda no 2° bimestre.

De maneira divertida e descontraída, o professor de Língua Portuguesa do 9° ano e de Inglês do 6° ano, Daniel Batista, palestrou sobre “Qualidade de Vida e Educação”. De acordo com ele, a superação de dificuldades é necessária para que os alunos possam vencer a batalha.

“Falamos sobre os vários motivos que afastam os alunos das aulas mostrando a importância deles não desistirem, sabemos que é uma luta, mas também sabemos que eles podem superar e que não devem se entregar facilmente. Nós queremos que eles superem e consigam vencer!”, afirmou o professor.

A aluna do 9° ano, Vanuza Moreira Ribeiro, 18, vê a mobilização como um momento de reflexão. “As mensagens dos nossos professores nos ajudam dando força e nos estimulando para que não desistamos de nossos objetivos. Para alcançar um bom emprego e fazer parte do time dos vencedores precisamos persistir”, explicou a aluna.