07/09/14 | 23:16
Manaus eleva índice educacional e atinge pela primeira vez meta do MEC

Com o terceiro maior percentual de crescimento do País, as escolas da rede municipal de ensino de Manaus obtiveram a nota consolidada de 4,6 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2013 e alcançaram, pela primeira vez, a meta do Ministério da Educação (MEC) para a capital amazonense (4,6). Os dados foram divulgados, na sexta-feira, 5, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

A nota de 4,6 é referente aos Anos Iniciais (1º ao 5º ano do Ensino Fundamental) e representa um crescimento de 12,2% em relação ao último Ideb, quando a nota foi de 4,1. O percentual de crescimento de Manaus ficou atrás apenas de Rio Branco, que teve uma elevação de 14,5%, e de Aracaju, que aumentou 13,9%. Com isso, o índice das escolas municipais de Manaus saltou da 20ª para a 13ª posição entre as 26 capitais brasileiras. Entre as capitais do País que tiveram notas abaixo da de Manaus, estão João Pessoa (4,5), Porto Alegre (4,5), Natal (4,3), Recife (4,3) e Belém (4,1). Para compor a nota do Ideb, são utilizados os resultados da Prova Brasil (prova nacional) e do fluxo escolar (taxa de aprovação e reprovação).

Considerando a nota dos Anos Iniciais da rede pública total de Manaus, que abrange os resultados consolidados tanto das escolas municipais, quanto das estaduais da capital amazonense, a nota é ainda maior (4,8) e superior à meta do MEC, nesse caso de 4,7.

Em relação aos Anos Finais (6º ao 9º ano do Ensino Fundamental), as escolas municipais de Manaus obtiveram a nota de 3,4, o que representou um crescimento de 9,6% em relação ao resultado de 3,1 alcançado no último Ideb. A meta do MEC também era de 3,4 para a capital amazonense, que passou da 20ª para a 17ª ocupação. Considerando o resultado total da rede pública de Manaus (escolas estaduais e municipais), a nota foi de 3,7, superior ao último índice, referente a 2011, e à meta do MEC.

O secretário Municipal de Educação (Semed), Humberto Michiles, destacou que os resultados alcançados são reflexos da decisão do prefeito Arthur Virgílio Neto de enfrentar o desafio de melhorar a qualidade da educação e da capacidade e empenho dos educadores da rede municipal de Manaus. “O prefeito assumiu o desafio publicamente e os nossos educadores aceitaram esse desafio, arregaçaram as mangas e os resultados já começaram a aparecer. Queremos colocar Manaus no lugar onde ela merece estar, onde as nossas crianças merecem estar, por isso é nosso compromisso chegar entre as dez capitais do Brasil em qualidade da educação. E esses resultados fortalecem o trabalho que vem sendo realizado pela secretaria, de focar cada vez mais no pedagógico. Afinal de contas, a missão da escola é fazer o aluno aprender”.

Em abril deste ano, durante coletiva na sede da Semed, o prefeito Arthur Virgílio Neto declarou que a situação da educação de Manaus não podia ser escondida. Na ocasião, ele destacou que enfrentaria o desafio de colocar Manaus entre as dez melhores capitais do País. “Convoquei gestores, professores e pedagogos a não aceitarem esses dados comigo. Temos que dar o melhor de nós para mudarmos a situação da educação básica em Manaus”, afirmou na época.

 

Melhores desempenhos da rede municipal

 

Nos anos iniciais, a nota consolidada da rede municipal foi de 4,6, mas a unidade escolar com maior Ideb foi a Escola Municipal Profª Lea Alencar Antony, na Cidade Nova, zona Norte, que alcançou o resultado de 7,1. Também se destacaram as escolas municipais Escritora Nísia Floresta Brasileira Augusta (nota 6,7), localizada em Flores, zona Centro-Sul; Lóris Cordovil (6,3), da Praça 14 de Janeiro, zona Sul; Antonio Matias Fernandes (6,2), do Parque 10, zona Centro-Sul, e Profª.  Adelaide Tavares de Macedo (6,2), da Vila Municipal, zona Centro-Sul.

De acordo com Darci Silvia Correia, gestora da Escola Municipal Profª Lea Alencar Antony, unidade que alcançou a maior nota das séries iniciais do Ensino Fundamental (7,1), o resultado é reflexo da dedicação dos professores e pedagogos e da participação dos pais.

“90% dos nossos professores são bem atuantes. Os pedagogos também são bem atuantes. Incentivamos, ainda, a participação dos pais. Aqueles que não são presentes, cobramos para que participem mais da escola. Nas reuniões também fazemos as comemorações da escola, como dia das mães, por exemplo, para evitar, ao máximo, que os alunos sejam retirados da sala de aula”, comentou.

O resultado alcançado pela escola está acima do esperado para 2021. Para o MEC, nesse ano, o resultado deverá ser de 6,8.

“Vejo isso como uma grande responsabilidade por ter que manter e até melhorar esse Ideb. Temos, ainda, a sala do reforço escolar, uma ferramenta que usamos muito. Fazemos um calendário de atendimento aos alunos na sala com um professor que domine os assuntos que o aluno mais precisa. Temos que ter a visão que fazendo bem o nosso trabalho, estamos fazendo bem para as crianças. Só vamos melhorar o nosso país se educarmos bem as nossas crianças”, disse.

O aluno Giovane Menezes, 10 anos, do 5º ano A, gosta de estudar na unidade. “Os professores são ótimos e eu tenho muito orgulho de estudar aqui. A escola é minha família. Gosto muito dos meus colegas. Gosto de estudar e me dedico para ter boas notas. Quanto erro, me corrijo e faço de tudo para não errar mais”, disse.

Em relação aos anos finais, os melhores resultados foram das escolas municipais Paulo Graça (nota 4,9), em Flores, zona Centro-Sul; General Aristides Barreto (4,9), localizada no Santo Antônio, zona Oeste; Rodolpho Valle (4,6), na Redenção, zona Centro-Oeste; Profª Francisca Pergentina da Silva (4,6), Zumbi dos Palmares, zona Leste, e Solange Nascimento (4,6), zona Rural – rodoviária.

A gestora da Escola Municipal General Aristides Barreto (nota 4,9), Norma Costa Magalhães, diretora da unidade escolar há quatro anos, explicou que realiza, quinzenalmente, simulados com os alunos do 8º e 9º ano. Ela destacou, ainda, que o resultado alcançado no Ideb é fruto de um trabalho conjunto com os pais dos alunos, os professores e a Semed. “Essa é a minha primeira escola como gestora. Entrei com pouca experiência, mas percebi a importância da Prova Brasil. Por isso, elaboramos o nosso próprio banco de questões e quinzenalmente os alunos fazem um simulado. Foi uma forma de dar uma ideia real aos alunos de uma Prova Brasil, fazendo com que se acostumassem ao método de avaliação do MEC e reduzíssemos o nervosismo deles. Além disso, temos um trabalho conjunto muito importante com os educadores, os pais, o Conselho Tutelar e a secretaria, porque o Ideb não é formado apenas pela prova, mas também pelo fluxo. Esse resultado é a coroação do trabalho de todo um ano da escola, da comunidade e da secretaria. Estamos muito felizes”.

 

Resultados regionais

Em relação aos resultados das redes municipais de todo o Estado nos Anos Iniciais, Manaus aparece em quarto lugar entre os 60 municípios avaliados. Em primeiro, está Presidente Figueiredo (nota 5), em segundo Barcelos e em terceiro Boca do Acre (ambos com 4,7), em quarto Urucará e em quinto Manaus (ambos com 4,6). No último resultado do Ideb, entre os 58 municípios do Amazonas que haviam sido avaliados, Manaus aparecia na 16ª posição.

Dentre os 35 municípios avaliados nos Anos Finais, Manaus aparece na 17ª posição. Os três primeiros foram Tapauá (nota 4,9), Boca do Acre (4,7) e Anori (4,1). Na avaliação anterior, entre os 32 municípios do Amazonas que possuíam resultado do Ideb para os Anos Finais, Manaus aparecia na 24ª posição.

 

Texto: Gisa Prazeres

 

Secretaria Municipal de Educação (Semed)

Assessoria de Comunicação

(92) 3632-2054