28/03/14 | 15:54
Lutadores do UFC ministram aula no Projeto Aprender, Conviver e Lutar

Mais de cem alunos de escolas da rede municipal na zona Leste de Manaus conheceram a história de sucesso dos lutadores de MMA (Mixed Martial Arts) Ronaldo Jacaré e Alan Nuguette, nesta sexta-feira, 28. Os alunos fazem parte do Projeto Aprender, Conviver e Lutar, realizado pela Secretaria Municipal de Educação (Semed) e que leva a prática do jiu-jítsu para alunos do Ensino Fundamental e Educação Infantil.

O encontro com os lutadores ocorreu na Escola Municipal Aristóteles Comte de Alencar, no Armando Mendes. No UFC (Ultimate Figthing Championship), Jacaré luta pela categoria peso médio e Alan pela categoria peso leve.

O aluno Matheus Vinhote, 17, disse que acordou cedo e que estava muito ansioso para se encontrar com Jacaré. Ele pratica jiu-jítsu há dois anos e foi o primeiro a chegar na escola para encontrar com o lutador. “Eu acompanho o Jacaré já faz um tempo, eu me espelho nele. Foi um dia que nunca vou me esquecer”, disse o jovem que também tem o sonho de ser lutador do UFC.

A ideia de convidar os atletas para conversar com os alunos partiu do coordenador do Aprender, Conviver e Lutar, Ronnie Melo. Segundo ele, educar se faz com exemplos e a história dos atletas são casos de superação e transformação por meio do esporte.

“O Jacaré foi um garoto que teve dificuldades na vida, assim como muitos participantes do projeto, mas por meio do esporte ele conseguiu ter sucesso. O Nuguette também teve uma infância difícil, foi engraxate. Queremos mostrar isso aos nossos alunos e incentivá-los a não desistir de seus sonhos”, explicou.

Os lutadores contaram os caminhos que percorram até chegar ao principal evento de MMA na atualidade, o UFC. Ronaldo Jacaré lembrou que foi um menino rebelde até os 17 anos quando conheceu o jiu-jítsu. Ele contou que ao começar a treinar aprendeu princípios que mudaram sua vida.  

“Comecei no esporte com idade avançada. Até meus 17 eu vivia na rua, não estudava, não respeitava ninguém e era brigão. Quando conheci o judô e o jiu-jítsu minha vida mudou. Comecei a ter disciplina, respeito pelas pessoas e tive meu caráter moldado. Vocês são privilegiados de terem acesso a um projeto desses desde cedo. Aproveitem e além de desejarem ser campeões no esporte, desejem ser campeões na vida, sendo pessoas honestas e de bom caráter”, falou Jacaré.

Alan Nuguette falou sério com os alunos ao lembrar que na vida só vencem aqueles que têm determinação. “Há oito meses eu e minha mulher estávamos contando moedas para saber se conseguiríamos jantar. Hoje, graças a Deus, tenho onde morar e o que comer todos os dias. Eu poderia ter desistido, mas continuei em busca do meu sonho. Estabeleçam metas na vida de vocês e batalhem para chegar aos seus objetivos, mas sem passar por cima de ninguém”, declarou.

Jean Carlos, 16, do 8º ano, pediu para Jacaré autografar sua faixa branca. “Esse ano ainda eu vou passar para a faixa azul. Essa vai ficar guardada como recordação e para o autógrafo não sair, não vou mais lavá-la. É como se fosse um troféu”, afirmou.

Projeto

O Aprender, Conviver e Lutar visa usar o jiu-jítsu para potencializar as habilidades mentais, sociais, afetivas e motoras dos estudantes da rede municipal de ensino.

O projeto teve início no ano passado, em três escolas, e atendeu 265 alunos. O sucesso foi tanto que em 2014 foi ampliado e está atendendo 960 crianças de quatro a 17 anos em oitos escolas polos.

As aulas são realizadas duas vezes na semana, com uma hora de duração cada e dividida em três momentos. No primeiro é feita a saudação inicial, em seguida, é trabalhada a parte física com corrida, cabo de força e circuito com bolas e cones. A terceira e última etapa trabalha os golpes do jiu-jítsu que são ensinados de acordo com a faixa etária dos alunos.

TEXTO: Thiago Botelho

FOTOS: Cleomir Santos