01/10/13 | 14:52
II Seletiva do Teatro-Educação das Escolas da Divisão Distrital Sul e Centro-Sul da Semed

Com um público de professores, pais, gestores, alunos e educadores da rede municipal de ensino, cerca de 100 alunos do 4º e 5º ano do ensino fundamental das Escolas Municipais Waldir Garcia, Sérgio Pessoa, Felismino Soares e José Carlos Mestrinho, participaram da 2ª Seletiva do Teatro-Educação das Escolas da Divisão Distrital Zona (DDZ) Sul e Centro-Sul, nesta segunda-feira, no Café Teatro-Manauscult, localizado no centro da cidade.

Mostrando talento, dedicação e criatividade, os alunos que fazem parte do projeto Teatro-Educação na Escola da Secretaria Municipal de Educação (Semed) fizeram a encenação das peças teatrais, com a produção de textos, roteiros e cenários produzidos pela própria comunidade escolar, sob a orientação dos professores das unidades educacionais participantes do evento.

Segundo a assessora de artes da DDZ Sul e Centro-Sul, Acácia Mié, o festival além do cunho artístico, tem seu lado pedagógico que é trabalhado com os alunos na escola.

“Desde o início do projeto procuramos trabalhar no aluno a expressão, autonomia de criação, a oralidade, onde eles criam seus textos inéditos a partir de sua própria imaginação no desenvolvimento dos trabalhos teatrais. Os alunos criam uma narrativa, depois nós fazemos uma adaptação teatral com a construção de textos em diálogos com a indicação de cenas. Eles fazem toda encenação em sala de aula, com a participação da comunidade escolar, na confecção do cenário e do figurino da peça” disse e ressaltou a participação dos professores do 4º e 5º ano que orientam os alunos na peça teatral.

A Escola Municipal José Carlos Mestrinho, bairro Nossa Senhora das Graças, zona Centro-Sul da cidade, apresentou a peça “Uma linda princesa chamada Isabel”, com a participação de 20 alunos do 4º ano.

“Fica de aprendizado para os alunos a imaginação, o interesse de criar as histórias, os alunos participaram desde o início com suas histórias e entre eles foram selecionadas a melhor história. Os estudantes foram desenvolvendo os capítulos das cenas, montaram o cenário, as roupas, ensaiaram em sala de aula o roteiro, enfim, fizeram tudo. Eles assimilaram como fazer uma história, uma narrativa, o interesse pela leitura e o interessante de tudo foi a produção de histórias criados por eles próprios”, finalizou a coordenadora na escola, Andreia Praia.

A peça “Os aventureiros procurando o tesouro na Ilha Misteriosa”, da Escola Municipal Felismino Francisco Soares, localizada no centro da cidade, foi idealizada pelo aluno do 5º ano, Smyth Rafael Scanteubury N. Tavares, 11, junto com seu colega Lucas Gabriel, também de 11 anos.

“Nós sempre quisemos criar uma história e quando a professora de Artes chegou até nós, pediu para concorrermos no festival. Nós criamos em um dia o nome das pessoas da história, inventamos as brincadeiras e disse ao meu colega Lucas Gabriel ‘vamos fazer uma história’. Depois disso, começamos a criar a história, a fazer a peça e tudo surgiu com a produção na montagem do roteiro. Foi muito bom, porque conseguimos idealizar um trabalho feito por nós da escola”, disse Smyth Rafael.