31/08/15 | 10:30
Feira de ciências aborda consumo consciente da energia elétrica

IMG_0081Apagar a lâmpada quando sair do quarto. Desligar o ar condicionado algumas horas antes de levantar da cama e evitar o uso do chuveiro elétrico no verão foram algumas das instruções dadas pelos alunos do 5º ano da Escola Municipal Santa Rita de Cássia, localizada no Riacho Doce, zona Norte, durante a Feira de Ciências da unidade de ensino, que abordou o tema “o uso consciente da energia elétrica”.

A atividade contou com a participação de 400 estudantes do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental e com apoio da Eletrobras Amazonas Energia, que auxiliou nas pesquisas sobre a temática. Em sala de aula, os alunos pesquisaram a parte teórica e montaram as maquetes para as apresentações. Uma miniatura de casa disponibilizada pela concessionária de energia elétrica mostrou como funciona o consumo de energia nas residências. A cada luz ou equipamento ligado, o contador acelerava a aferição.

IMG_0102A aluna Ingrid Marques, do 5º ano, falou sobre a conta de energia. Ela ensinou o que, de fato, o consumidor paga e que é a quantidade de megawatts utilizada que influência no valor cobrado ao final do mês.

“Quando você parar de assistir televisão, você tem que desligar. A mesma coisa com a lâmpada para economizar energia. O meu pai economiza desligando o ar condicionado, quando já estamos dormindo”, exemplificou.

Na avaliação da gestora, Simone Malveira, a Feira de Ciências foi uma maneira mais agradável para os alunos aprenderem os conteúdos. Seguindo ela, a motivação dos estudantes foi visível e lembrou que a ação não é somente para apresentar para a comunidade, mas para levar conscientização e mudança de hábitos na população do bairro.

“Esse é um projeto da escola onde estamos trabalhando desde a semana do meio ambiente, quando fizemos uma parceria com a Eletrobras Amazonas Energia que trouxe um momento de conscientização com as crianças. E esse momento de apresentação é o momento de conscientizar a comunidade. Vamos levantar qual impacto isso causou aqui na comunidade do Riacho Doce”, observou.

Da cidade para o campo

IMG_0055No Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) Madre Elísia, localizada no bairro São Raimundo, zona Oeste, o tema da Mostra Cultural abordou um tema inverso ao da energia elétrica. Foi trabalhada a fauna e a flora do Amazonas. Os 300 alunos da escolinha foram divididos em três grupos e falaram sobre as plantas medicinais, frutas regionais e animais da Amazônia.

A sala do 1º período se transformou em um jardim. Para compor o cenário das apresentações, o local foi ornamentado com vasos de plantas medicinais, como cidreira, matruz, babosa e boldo. Cada criança explicou em que tipo de doença as plantas ajudam a combater.

A pequena Maria Rita Dias, que estava vestida de Mãe Natureza, dançava para proteger a natureza.
A parte mais gostosa do evento foi a apresentação das frutas da Amazônia. Além das tradicionais cupuaçu e tucumã, as crianças falaram sobre o araça-boi, abricó e sorva, que são frutos pouco vistos em Manaus.

“A sorva é um fruto de caroço, que quando madura e de casca fina, dá um suco leitoso e muito saboroso. Ela é a matéria prima industrial para confecção de goma de mascar”, explicou o alunos Gênesis Caio da Silva, 4, do 1º período.

IMG_0005Mãe do pequeno Aram, de 5 anos, Shirley Sol Lopes, prestigiou todos os trabalhos apresentados e disse estar impressionada com a riqueza do material e dos textos.

“As crianças falaram espontaneamente os textos. Isso foi algo muito interessante porque elas aprendem e nos ensinam. Eu fiquei muito feliz porque ele passou por colégios particulares e aqui eu encontrei uma escola que trabalha na parte social. Meu filho ficou mais desinibido”, destacou.

A diretora do CMEI, Wanda Almeida, lembrou que desde o primeiro semestre os alunos estudaram a parte teórica em sala. Ela explicou que mesmo eles sendo crianças de 4 e 5 anos, conseguem assimilar o conteúdo e se tornam propagadores do aprendizado, ensinando os pais a importância da preservação dos animais e da natureza como um todo.

“É desde pequeno que se aprende. Nós visitamos o zoológico e eles perceberam que existem muitos animais em extinção. Queremos que eles aprendem a proteger os animais e valorizar as frutas regionais. Eles serão os homens do futuro”, disse.

Texto: Thiago Botelho
Fotos: Lton Santos