10/11/16 | 10:23
Exposição conta a história da educação em Manaus

09-11-16-Memorial da Educação.Fotos Cleomir Santos (3)Com o objetivo de preservar a história de quem contribuiu para a Educação em Manaus, a Secretaria Municipal de Educação (Semed) inaugurou, na manhã desta quarta-feira, 9, a exposição itinerante ‘Manaus Educação: Tributo a História’, assinada pela jornalista e escritora Etelvina Garcia. Em 20 painéis informativos, com textos e fotos, ela transmitiu seu olhar sobre a construção da educação na capital do Amazonas.

A Exposição começa contando a história da educação desde a época em que a região, conhecida como São José da Barra do Rio Negro (antigo nome de Manaus), era habitada pelos índios tarumã e lembra, entre outras coisas, que em 1883 Manaus teve o Museu Botânico do Amazonas, um dos primeiros institutos de pesquisa cientifica do Brasil. A exposição mostra também que em 1911 foram diplomadas pela Universidade de Manaus as primeiras farmacêuticas e odontólogas do Estado, numa época onde as mulheres tinham pouco acesso à educação.

09-11-16-Memorial da Educação.Fotos Cleomir Santos (1)De acordo com Etelvina Garcia, a exposição é um olhar muito particular da história da educação no município e é fruto de sua paixão pelos estudos sobre Manaus. Ela acredita que as informações são importantes para que os educadores de hoje conheçam o que já foi feito ao longo dos anos.

“Eu selecionei algumas coisas porque não dá para contar uma história em 20 painéis. Saímos fazendo um passeio no tempo e vamos apresentando coisas que fizeram parte da vida da nossa cidade, mas que nem todo mundo conhece. Nosso objetivo é fazer com que estudantes e professores leiam esses painéis, façam anotações, tirem fotografias e desenvolvam suas pesquisas a partir dos referencias que estão aqui”, explicou.

09-11-16-Memorial da Educação.Fotos Cleomir Santos (2)Durante a solenidade de inauguração da exposição, realizada na sede da Divisão de Desenvolvimento Profissional do Magistério (DDPM), a secretária Kátia Schweickardt afirmou que a obra, além de contar a história da educação, é uma homenagem à trajetória de pesquisa de Etelvina Garcia.

“É uma homenagem que a Secretaria Municipal de Educação presta em vida para Etelvina Garcia, pessoa tão importante da nossa história. Essa é uma perspectiva da história da educação, mas nós poderíamos ter outras também. Essa exposição vai estar presente em vários de nossos polos, para que as nossas crianças também trabalhem essa perspectiva de olhar para sua identidade a partir de sua história”, afirmou.

 

Visitas

Logo após a solenidade, os presentes visitaram a exposição. A formadora de educação do campo da DDPM, Giovanna Freire, observou com atenção os painéis e parabenizou a iniciativa da Semed, pois, segundo ela, não é possível olhar para o futuro esquecendo o passado.

“É de suma importância uma exposição como esta porque conhecemos um pouco mais da história da educação. Vendo os painéis, observei que no final do império já havia uma dificuldade para as escolas do campo. Das 42 escolas da época, 23 permaneciam na cidade. É interessante ter essa informação para qualificar as discussões de hoje. Temos que valorizar o que aconteceu para continuar a luta”, destacou.

Texto: Thiago Botelho

Fotos: Cleomir Santos / Semed