27/08/14 | 13:20
Escola Municipal Maria do Carmo destaca “Meio ambiente e cidadania” em Feira de Ciências

Aproximadamente de 1,6 mil alunos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Escola Municipal Maria do Carmo Rebello de Souza, apresentaram nesta quarta-feira, 27, o tema “Meio ambiente e cidadania”, dentro do tema macro da 2ª Feira de Municipal de Ciências, Tecnologia e Educação Ambiental, da Secretaria Municipal de Educação (Semed).

 

Na oportunidade, a escola ficou lotada com a presença de pais, responsáveis, comunitários, além dos professores, pedagogos e convidados para acompanhar de perto o resultado de dois meses de trabalho dos alunos da unidade de ensino.

 

Com um efetivo de 27 professores orientadores, os estudantes para desenvolver as atividades da feira, participaram de oficinas, produção de material reciclado, pesquisa de campo em torno da escola, pela internet, bibliográficos e coreografias relacionadas a temática do evento.

 

“Na verdade, já trabalhamos a questão ambiental na escola. Na feira de ciências, nós fortalecemos o tema, porque entendemos que nossos alunos devem ter essa formação para o meio ambiente equilibrado e sustentável. O aluno deve perceber sua função ao meio ambiente e atuação, para que as futuras gerações tenham um ambiente sustentável”, comentou a diretora da escola, Nizia Feitoza Brandão Pimentel.

Jodeane de Oliveira, 37, mãe da aluna do 3º ano matutino, Ana Victória, 8, fez uma visita na feira, e gostou dos trabalhos realizados pela comunidade escolar. Para ela, o fato da filha aprender sobre alimentação, um dos itens do tema foi maravilhoso.

 

“Ele estudou sobre o valor nutricional das frutas, mas principalmente sobre a goiaba, que tem um valor grande para o organismo. Achei interessante a feira abordar tanta coisa interessante, porque os alunos tiveram um aprendizado sobre vários assuntos que fazem parte do nosso dia a dia.”, disse a genitora.

 

O aluno do 8º ano vespertino, Isaac Freire, 15, que faz parte do Programa Ciência na Escola (PCE), foi o expositor da sala temática “Literatura Amazonense Musicada”. De acordo com estudante, a abordagem foi feita para destacar a linguagem regional do povo amazônico.

 

“Nosso foco é trabalhar as músicas regionais do Amazonas. Fizemos alguns debates com cantores regionais. Aprendi que é bom aprender falar ‘caboclês’ de nossa região, ou seja, o ‘amazonês’. Isso também pode ser ensinado em sala de aula na língua portuguesa, com aulas interativas com vídeos, com algumas falas do caboclo, língua indígena, onde muita gente não fala. A partir de nosso trabalho, nós verificamos que algumas pessoas sofrem preconceito linguístico do modo de falar e do seu jeito de ser”, salientou.

 

TEXTO: Paulo Rogério Veiga

FOTO: Cleomir Santos