25/03/11 | 8:37
“Encontro com o Escritor” promove debate entre autores e alunos da rede pública

Mais de 80 alunos da escola municipal Joana Queiroz participaram na manhã desta quinta-feira (24) do “Encontro com o Escritor”. O projeto é realizado todo mês pela Prefeitura de Manaus na biblioteca João Bosco Pantoja Evangelista e reúne sempre dois autores locais para um bate-papo sobre as obras publicadas, além de compartilharem experiências com a plateia.

A edição deste mês contou com a presença de Ana Peixoto e Mario Adolfo. O objetivo é divulgar o trabalho dos escritores amazonenses junto ao público infanto-juvenil. Elson Farias, Tenório Telles, Francisco Gomes e Aldísio Filgueiras são alguns dos nomes que já passaram pelo projeto, que conta com a parceria da Academia Amazonense de Letras.

Segundo a gerente do núcleo de bibliotecas da Manauscult, Maria Auxiliadora Canto, o “Encontro com o Escritor” ajuda a mostrar que a biblioteca não serve apenas para pesquisa, mas também atua como difusor cultural para a sociedade.  Ela conta que o projeto é aberto para qualquer escola que tenha interesse em participar, porém, a preferência é para as unidades educacionais localizadas na zona Rural e Rodoviária. “Uma vez recebemos 50 crianças de uma escola do Puraquequara que nunca haviam visitado o centro histórico da cidade. É gratificante proporcionar essa experiência para os alunos, eles ficam mais receptivos para o intercâmbio cultural que a Prefeitura oferece”, explica Auxiliadora.

Nesta quinta-feira (24), o escritor e jornalista Mario Adolfo apresentou aos pequenos e adolescentes suas principais obras voltadas ao público jovem, incluindo uma de suas criações mais importante, o indiozinho “Curumim”. O personagem, criado há 25 anos, fala em defesa do meio ambiente e tem sido leitura obrigatória para as crianças amazonenses desde então.

O escritor explica como é transmitir os anos de experiência na literatura para um público que acaba de entrar no mundo das letras. “É preciso ter um cuidado especial com o a mensagem que se quer transmitir. Essas crianças estão começando a buscar seu espaço no mundo e, por isso, procuro trabalhar a ecologia através de um personagem que tem a cara do Amazonas”, explica Mario Adolfo.