16/03/12 | 14:58
Democratização da Informação

Agora ficou mais fácil aprender. A Semed está investindo pesado na educação adotando ferramentas tecnológicas para facilitar o processo de ensino e aprendizagem nas 219 escolas de Manaus. Além de atender grande parte das escolas da zona urbana por determinação do titular da pasta, Dr. Mauro Lippi, 18 escolas da zona rural também receberão os Telecentros com toda estrutura e aparatos tecnológicos.

“É um projeto inédito e estamos fazendo um alto investimento também na zona rural entregando os núcleos a essas regiões quase isoladas. Queremos fazer uma administração moderna para que nossas crianças tenham oportunidades e condições para aprender. Não somente os alunos, mas toda comunidade escolar poderá ter acesso a esses espaços digitais. Os professores estão empenhados e capacitados para ministrar uma boa aula, utilizando o computador no seu cotidiano escolar. Com certeza os alunos terão uma educação de qualidade. Essa é uma política de valorização na educação e que faremos o possível para atingir nossas metas”, afirma Lippi.

Na quinta-feira (15), a Escola Mul. Eng. João Braga foi mais uma escola a receber o Telecentro. Cerca de 1600 alunos do ensino fundamental poderão participar dos cursos e atividades oferecidos pelo núcleo.

“Ainda estamos organizando os horários de atendimento, mas posso afirmar que ninguém ficará de fora das aulas. As atividades serão ministradas nos turnos matutino e vespertino com duração de 45 minutos. Os próprios professores irão acompanhar seus alunos durante as formações. O espaço estará aberto para atender a todos, principalmente os pais e comunitários que queiram aprender conosco”, comenta Ana Regina Garcia, coordenadora do Telecentro.

Os alunos Klewerton Nogueira e Daniel Duarte ficaram contentes com o espaço e esperam novidades. “Neste local iremos aprender a pesquisar na internet os nossos trabalhos solicitados pelos professores. A turma tinha que ir para a biblioteca e às vezes era mais difícil encontrar os conteúdos. Procurar de livro em livro é complicado”, comentou Klewerton Nogueira.

“É uma grande novidade para nós e agora vamos aprender a como utilizar o computador. Nossos pais não vão mais pagar por uma escola de informática, aqui vamos aprender de tudo”, afirmou Daniel Duarte.

Em seguida foi a vez da Escola Mul.  João Queiroz a receber mais um polo dos Telecentros. “Para muitas crianças isso é uma novidade porque além de fazerem um curso à distância, pesquisas escolares e acesso gratuito à internet, os núcleos receberão softwares de jogos pedagógicos nos quais os alunos aprenderão brincando”, afirmou Mauro Lippi.

A escola atende os anos iniciais e finais do ensino fundamental. Mais de 1100 alunos serão cadastrados para usufruírem do ambiente digital. “Os pais dos alunos serão convidados a conhecer o local e também a se cadastrar para participar das oficinas sem pagar nada. Aqui nós atenderemos nos seguintes horários: segunda, quarta e sexta somente para os alunos nos horários de 7h às 11h (matutino) e 13h às 17h (vespertino). Os comunitários terão acesso todas às terças e quintas a partir das 17h às 19hs (noturno)”, comentou Daniela Medeiros, coordenadora do Telecentro.

Muito emocionada a gestora da escola João Queiroz, Arlete Mendonça, diz que as crianças do bairro terão novas oportunidades. “Vejo um sonho realizado meu e de toda comunidade escolar. As crianças ganharam um espaço democrático onde poderão ter acesso à informação e ao aprendizado”, comenta Mendonça.

Encerrando a maratona de entrega dos Telecentros à zona Norte, a outra beneficiada foi a comunidade do bairro Mundo Novo. A EMEF Nilton Lins atende somente aos alunos dos anos iniciais do ensino fundamental. “As crianças de 7 a 10 anos também têm direito a aprender a manusear o computador. Graças ao empenho do nosso secretário os alunos, pais e comunitários estão presenciando um momento revolucionário na educação entregando computadores aos professores e abrindo espaços digitais às crianças. Em relação aos horários estamos organizando os calendários de atividades, mas acredito que até o mês de abril estaremos dando inicio às atividades”, afirmou Augusto Prazeres, gestor da EMEF Nilton Lins.

De acordo com o autônomo Cleirton Santiago, pai da aluna Sabrina Santiago (8), o  espaço é de grande valia no aprendizado dos alunos, principalmente as crianças que estão começando a estudar. “Eles deverão aproveitar o máximo (alunos) este ambiente e pra mim é uma vitória na educação. Eu mesmo vou participar das atividades porque tenho uma padaria e preciso aprender a manusear o computador” comentou Santiago.