16/01/13 | 17:31
Combate ao mosquito da dengue não tira férias

Operação impacto está percorrendo as escolas municipais para combater os focos do mosquito. O objetivo é comtemplar todas as unidades educacionais do município até março.

Enquanto a maioria dos alunos está de férias nesta época do ano, onde as chuvas são mais constantes na cidade,  o mosquito da dengue trabalha a todo vapor. Sabendo disso a Operação Impacto de Combate a Dengue, realizada em parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) e Corpo de Bombeiros, está percorrendo as escolas municipais para combater a proliferação do aedes aegypti na comunidade escolar.

Inicialmente 128 escolas em calendário especial e da zona leste de Manaus estão sendo atendidas, mas a intenção é comtemplar todas as unidades de ensino da Semed até o mês de março. O procedimento é simples. Os agentes de endemias visitam a escola para detectar e eliminar os focos e criadouros do mosquito. Quando há necessidade, é feita a borrifação de inseticida.

“Fazemos a inspeção e verificamos qual é o problema: lixo, se há acúmulo de água. Quando há uma incidência muito grande, fazemos a borrifação de inseticida, mas a ideia principal é educar para que sejam eliminados constantemente os focos do mosquito e cortar o mal pela raiz”, explicou o Chefe da Divisão de Controle de Doenças Transmitidas por Vetores da Semsa, Joabe Rocha.

Segundo o gestor Ivan Maranhão, da Escola Municipal Leonor Uchôa, no São José, o trabalho é de suma importância, já que, para ela, a saúde é um dos principais requisitos para que o aluno tenha um bom desempenho em sala de aula.“Essa ação é fundamental. A saúde tem que andar sempre de mãos dadas com a educação. Aqui na escola, por exemplo, fazemos durante todo o ano ações de orientação e prevenção. Só dessa forma é possível acabar com os focos e a proliferação do mosquito da dengue”, disse.

Sem focos

Em algumas escolas visitadas não foram encontrados nenhum foco ou criadouro do mosquito da dengue. A Escola Municipal Desembargador Cândido Honório é um exemplo. Mesmo sendo uma das maiores unidades de ensino da Semed, com 15 salas de aula e cerca de 850 alunos, o trabalho de orientação realizado durante todo o ano letivo, está surtindo efeito e o aedes aegypti foi erradicado no local.

Para a diretora, Elizângela Brandão, o cuidado com a limpeza da área interna e externa da escola é um fator importante para que o mosquito não encontre morada. “Durante todo o ano organizamos ações para falar da importância de combater o mosquito da dengue. Temos os alunos monitores que fiscalizam e ficam responsável em detectar possíveis focos. Além disso, temos um bom relacionamento com a Semulsp (Secretaria Municipal de Limpeza Pública) e sempre que pedimos eles vêm limpar a área externa da escola”, explicou.