17/05/12 | 18:07
CMEI Hermann Gmeiner marcha contra exploração sexual de crianças.

Alunos percorreram as ruas do Conjunto Ajuricaba chamando a atenção dos moradores sobre a importância do combate a este tipo de crime.

 

Com faixas, cartazes e gritos de guerra ensaiado, cerca de 50 alunos do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Herman Gmainer fizeram, na manhã de hoje (17), uma caminhada pelas ruas do Conjunto Ajuricaba chamando a atenção dos moradores sobre a importância do combate ao abuso sexual de crianças.

Dizeres como ‘Proteja nossas crianças. Abuso sexual, chega!’ e ‘Exploração sexual não é turismo, é crime’ estavam entre os vários apelos escritos nos cartazes.

Segundo a diretora do CMEI, Zilene Trovão, a escola atende crianças da Ong Aldeia S.O.S Infantil e muitos deles já passaram por alguns tipos de maus tratos, dentre eles o abuso sexual.

“80% das crianças que vêm para cá já sofreram abuso sexual. Esse trabalho é para alertá-los como se portar diante de uma situação como essa, por isso nós trabalhamos o tema em palestras, vídeos e teatros de fantoche, e agora estamos encerrando com a caminhada”, disse.

Para Sônia Ramos, vó do pequeno Murilo, 4, é importante promover uma ação de alerta como esta, já que, segundo ela, pais e alunos aprendem como combater o crime.

“Se todos se mobilizassem não aconteceriam tantos casos. O problema é que muitas vezes os responsáveis pelas crianças são, na verdade, irresponsáveis e se omitem na educação dos filhos”, afirmou.

A aluna Diana Baima, de cinco anos, participou da caminhada carregando um cartaz com o número para denúncias de casos de exploração de crianças, o disk 100. Ele explicou em poucas palavras o que fazer caso alguém se aproxime dela.

“Se algum homem me oferecer bombom ou chocolate e me chamar para ir pra casa com ele, eu tenho que falar para professora ou para minha mãe”, falou.