08/07/16 | 10:27
Alunos da Escola Raimundo Almeida aprendem sobre malária de forma lúdica

Jogo de Tabuleiro.EM. Raimundo Almeida. Fotos Cleomir (15)Alunos da Escola Municipal Raimundo Almeida Lúcio, localizada no bairro Colônia Terra Nova, zona Norte, aprenderam brincando os sintomas e como se proteger do mosquito Anopheles, transmissor da malária. A atividade extracurricular foi realizada na tarde desta quinta-feira, no auditório da unidade escolar, e contou com a participação de 65 estudantes, entre 10 e 11 anos.

A brincadeira consistia em um jogo intitulado “Malária: juntos vamos proteger nossa comunidade”. A atividade pedagógica e a construção do jogo é umas das ações do Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento (Imed), que em Manaus é administrado pelo Hospital Delphina Rinadi Abdel Aziz, vinculado a Secretaria Estadual de Saúde (Susam).

Jogo de Tabuleiro.EM. Raimundo Almeida. Fotos Cleomir (3)De acordo com o gerente administrativo da Imed, Marcos Silveira, o jogo e a ação realizada na unidade escolar estão ligados ao sexto objetivo de desenvolvimento do novo milênio das Nações Unidas e ao trabalho social realizado pelo Instituto, envolvendo áreas da educação e saúde, nas comunidades do entorno do Hospital Delphina.

“Este jogo está inserido dentro do sexto objetivo das Nações Unidas, que estabeleceu em 2000 o combate à malária, em uma análise feita com membros da sociedade civil e governos de todo o mundo. E a principal finalidade do jogo é trazer à tona a doença, sintomas, formas de prevenção, curiosidades a partir de um aprendizado em conjunto, de forma cooperativa e dinâmica”, explicou o gerente.

Ele disse ainda que a ideia de debater o tema está ligada ao fato que a maior parte dos casos constatados da malária está concentrada na Região Norte, por conta do clima e vegetação que são propícias a proliferação do mosquito Anopheles.Jogo de Tabuleiro.EM. Raimundo Almeida. Fotos Cleomir (1)

Tabuleiro

O jogo consiste em uma espécie de tabuleiro de mais de dois metros. A ideia do jogo é fazer com que os alunos memorizem figuras e cartas contidas nele e  encontrar as causas e formas de prevenção da doença, ao mesmo tempo, retirar os mosquitos do tabuleiro. A brincadeira acaba quando todos os mosquitos são retirados do brinquedo.

O aluno do 5º ano Waldecley de Oliveira destacou que a atividade foi importante, porque a partir de agora aprendeu como se proteger contra o mosquito transmissor da malária. “Agora já sei que não devo deixar água parada e como posso me proteger contra o mosquito”, disse.

Já a aluna do 5º ano B Elizabete da Silva salientou o que mais chamou a sua atenção. “Eu aprendi que febre, tosse, dores de cabeça e musculares são sintomas da doença”, disse.

 

Texto: Emerson Felipe

Foto: Cleomir Santos