14/08/12 | 16:32
Alunos da Escola Municipal Ebenezer ganham prêmio com projeto de sustentabilidade

Estudos e ações voltados à sustentabilidade e preservação do meio ambiente da comunidade Ebenézer, Tarumã Mirim é o foco do Projeto Jovem Criador: A Consciência Verde – O Cidadão Ecológico desenvolvido por alunos da Escola Municipal Ebenezer e comunitários.

O projeto foi premiado em 1º lugar no Concurso Prêmio Construindo a Nação do Instituto Cidadania Brasil 2010/2011. No ano de 2010, a Escola recebeu uma visita técnica da equipe de Coordenação da Educação do Campo do Ministério da Educação (MEC-BRASÍLIA) e a visita foi publicada no “Jornal do Professor”, Ed.35, que reconheceu como o projeto tem contribuído para o desenvolvimento da Educação do Campo no Estado do Amazonas, com atividade de Educação Ambiental.

 A Associação Comunitária Rural Ebenézer  foi fundada em 1994, e a partir de 30 de maio de 2008, começou a inovar suas ações. Ao longo desses anos vem se destacando pela qualidade e inovação de seus produtos voltados ao contexto da sustentabilidade das famílias sem degradar o Meio Ambiente.

De acordo com o Presidente da Associação, João da Silva Encarnação, a comunidade cria e produz brindes através do reaproveitamento de materiais como: lona, banner, sementes, cipós e arvores mortas caídas na floresta.

“Estamos comprometidos com as ações sustentáveis e engajados em projetos de cunho social, educacional e ambiental com foco na geração de renda de maneira sustentável. Nossas relações são pautadas pela ética, honestidade, transparência, cidadania e principalmente pelo respeito ao meio ambiente. O compromisso com a excelência é meta global de toda a equipe da Associação Comunitária Rural Ebenézer (ACRE). Por tudo isso, nossa associação vem buscando parcerias com de instituições da sociedade civil e públicas e o apoio de parceiros”, explicou o presidente.

Segundo um dos Coordenadores de Apoio, Prof. MSc. Gilson Gean, o projeto nasceu diante da realidade encontrada em maio de 2008 que era a falta de preservação ambiental.

“Após algumas reuniões, o grupo de educadores juntou-se para montar um diagnóstico da comunidade escolar, sendo que 85% dos jovens não participavam de atividades extracurriculares; 100% das sobras de madeiras das casas dos ribeirinhos eram descartadas no lixo, elevada quantidade de lixos jogadas na comunidade sem contar com a falta de lixeira que estava contribuindo para a poluição do Lago do Jacaré Tinga no Rio Negro”, explicou o professor.

Na ocasião, o grupo notou que a comunidade não possuía atividades e projetos que gerassem renda e desenvolvimento, além de um elevado número de pais analfabetos e a falta de mobilização dos mesmos.

Desse estudo e levantamentos surgiram os vários materiais e produtos fabricados por mães ribeirinhas da comunidade. As mães inclusive possuem curso de costura pelo SEBRAE-AM, reconhecidas como profissionais experientes preocupadas com a geração de renda e a preservação do planeta.

Conheça alguns produtos:

Com criatividade e responsabilidade social, os comunitários produzem bolsas, porta caneta e pastas.