12/12/11 | 17:11
Alunos da Esc. Mul. João Braga participam do espetáculo “Sherazade e as Mil e Uma Noites”

As histórias mais deslumbrantes do mundo árabe foram contadas no espetáculo “Sherazade e as Mil e Uma Noites”, no último dia 8, no auditório do Colégio La Salle, localizado na Avenida Pedro Teixeira, com um elenco que reuniu alunos da Esc. Mul. João Braga, bairro Monte Sinai em parceria com Associação Belas Artes do Amazonas (Belarte).

O evento contou com o apoio da Fundação Municipal de Cultura e Artes (Manauscult) e do Projeto Programa de Apoio e Incentivo a Cultura (PAIC 2011) além da Associação Belas Artes do Amazonas (Belarte).

O espetáculo encantou aos pais, professores, convidados e a comunidade em geral com a história de tapetes voadores, Aladim, Ali-baba e os 40 ladrões, sultões, monstros, gênios, lutas e intrigas. Tudo envolveu um clima de magia, beleza e mistério, tendo como coadjuvantes crianças das comunidades da Colonia Santo Antonio, Vale do Sinai, Manôa, Mundo Novo, Monte Sinai que integram o Programa Escola Aberta e Mais Educação desenvolvidos pela Esc. Mul. João Braga.

Cerca de 200 alunos do 1ª ao 9ª ano da Esc. Mul. João Braga participaram do espetáculo. Segundo a diretora, Regina Ortiz, desde 2006 a escola tem a parceria com a Belarte com aulas de balé, sendo a maioria das crianças do Programa Mais Educação e Escola Aberta, alcançando bons resultados na apresentação em vários eventos pela cidade e principalmente a valorização quando eles sobem no palco.

“Para os alunos é uma questão de auto-estima participar desse show, que inclusive já foi realizado no Teatro Amazonas e em outros locais. O evento serve como incentivo às crianças que vieram da periferia e que nunca tiveram oportunidade de ter uma aula de balé gratuitamente nos projetos realizados pela escola”, salientou.

Emoção

“Sinto orgulho em fazer parte do Belarte”, disse a aluna do 9º ano da Esc. Mul. João Braga, Sammyla Mafra dos Santos, 14, ao mencionar seu prazer de integrar o grupo de balé e dança em sua escola. “É uma honra pra mim subir no palco, porque todos os anos dançamos em um local diferente pra conhecer os lugares e teatros diferentes. Mas o aprendizado não é só no balé e sim aprendi o sentido da ética, respeito e trabalho em grupo”, contou.

Exemplo

Thais Corrêa Souza, 17, foi aluna da Esc. Mul. João Braga e, pelo seu esforço e dedicação, encontrou na dança sua razão de viver. Hoje ela é professora do projeto de balé do Programa Mais Educação e Escola Aberta. “Esse espetáculo é na verdade pra mostrar o que nós aprendemos durante o ano. Pra nós é um orgulho de nos apresentarmos para esse público no teatro. Quando temos um retorno das pessoas com elogios é um reconhecimento de nosso trabalho. O balé representa minha vida, eu amo fazer isso, fico contando os dias, as horas e segundos pra chegar o fim de semana pra ensaiar, enfim é algo que dá prazer e com isso esqueço dos problemas do cotidiano”, comentou.