17/05/11 | 14:20
Alunos combatem a violência sexual infanto-juvenil

Mais de trezentos alunos do ensino fundamental, do 6º ao 9º ano, do turno vespertino da Escola Municipal Elvira Borges, bairro da Compensa, zona Oeste, participaram nesta segunda-feira (16), da Passeata de combate à violência sexual infanto-juvenil, nas principais ruas da comunidade.

Na frente da passeata, estudantes levaram uma grande faixa de alerta, com os dizeres: “A escola e a família no combate a violência sexual infanto-juvenil”, além de outros cartazes que mostravam a preocupação da comunidade escolar com o tema.

Para a Professora de Língua Portuguesa Claudia Rosas, a atividade representa um aviso aos moradores e familiares sobre um tema presente no meio dos jovens e que precisa ser combatido por toda sociedade. “Esse manifesto representa um grito de alerta aos nossos alunos e toda comunidade do bairro. O trabalho feito pela escola é uma forma de sensibilizar e evitar o contato de pessoas mal intencionadas e tudo que possa colocar em risco esses jovens e crianças”, contou.

O aluno do 8º ano, Thiago Silva Brelaz, 13, disse que em sala de aula ele aprendeu sobre algumas informações de como uma pessoa pode tirar proveito de um menor e praticar alguma ação de abuso. “Aprendi que nenhum adulto pode usar uma criança constrangida. Quando há alguma atitude suspeita de alguém, qualquer menor tem que informar aos seus pais. E se atitude partir dos próprios responsáveis, a criança deve avisar alguém de confiança”, frisou.

“Sei de um caso de assédio com uma colega minha, que me deixou muito triste”, relatou a aluna do 8º ano, Fernanda Costa de Souza, 14. Segunda a estudante, o caso ocorrido por sua amiga não pode ficar impune, pois o infrator fica livre para cometer outros abusos. “Quando soube tive um sentimento de revolta. Se fosse comigo avisaria minha mãe e é algo que nunca quero passar na minha vida”, ressaltou.

Para realizar um trabalho de conscientização, alerta e cuidado com os alunos da escola Elvira Borges, foi firmado uma parceria com o Conselho Tutelar da zona Oeste em torno da agenda ambiental da unidade educacional, tendo em vista que a problemáticas sociais são previstos na agenda escolar.