23/11/12 | 15:52
Alunos com deficiência participam do 3º Concurso de Desenho, Produção Oral e Textual sobre Educação Ambiental

Vinte e dois estudantes de baixa visão, autismo e com deficiência intelectual participaram da última etapa do 3º Concurso de Desenho, Produção Oral e Textual sobre Educação Ambiental da rede municipal, no auditório do Parque do Mindú, Zona Centro-Sul da cidade.

As crianças finalistas pertencem às classes especiais, Educação de Jovens e Adultos Inclusiva (EJA) diurno, salas de recursos multifuncionais e da Escola Municipal de Educação Especial André Vidal de Araújo.

O concurso tem o objetivo de proporcionar situações favoráveis ao desenvolvimento do potencial criador da criança visando oportunizar o raciocínio crítico, por meio da produção de desenhos, textos orais e escritos sobre a preservação do meio ambiente.

Antes da produção textual, os alunos com deficiência fizeram um passeio nas trilhas ecológicas do Parque do Mindu, para ter subsídios para a escrita. Os educadores tiveram um papel importante na formação das crianças, pois tiveram um treinamento de uma equipe técnica do Complexo Municipal de Educação Especial (CMEE) da Secretaria Municipal de Educação (Semed). Cada unidade educacional da rede realizou seu concurso interno, que culminou no encerramento de 22 estudantes do município.

 

A gerente da Educação Especial da Semed, Reni Formiga, disse que o evento é uma forma de valorizar os alunos especiais e mostrar a capacidade de cada um, mesmo que sejam crianças com deficiência, mas que merecem respeito e um cuidado especial.

“A ideia do concurso surgiu porque os nossos alunos produzem muito texto na escola. Os educadores foram fundamentais no auxílio das crianças na parte da leitura e escrita. Por mais que os alunos sejam deficientes, eles são capazes de tal trabalho, e é justamente isso que queremos provar e mostrar à sociedade,  esse valor que possui a clientela estudantil”, completou.

A avaliação dos alunos se deu por uma comissão julgadora formada pelas educadoras Joabe Grana Reis da Universidade Estadual do Amazonas (UEA), Rosejane Farias da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e Elenice Gonzaga Assunção, educadora aposentada pela Semed, mas que atuou por vários anos na educação especial.

“Já fui professora da Secretaria na educação especial e conheço esse trabalho. Vejo que eles (crianças) são capazes de produzir texto e principalmente mostrar a função social que a escrita tem. Durante o ano letivo há um trabalho executado dos educadores na produção textual. Um concurso como esse dissemina e estimula os estudantes a escrever. Independentemente de eles possuírem alguma deficiência todos têm capacidade de desenvolver suas habilidades”, comentou.

Cada aluno teve 30 minutos para elaborar seu texto, de acordo com o passeio nas trilhas do Parque do Mindu, observando a natureza como fonte de inspiração. A coordenação disponibilizou ainda uma pasta com papel para produção de textos e desenhos.

Ao final do evento, todos os alunos foram premiados com medalhas e ainda houve o sorteio de brindes.