14/09/11 | 13:57
Espetáculo Parlendas e Cirandas homenageia épico da literatura amazonense

A Secretaria Municipal de Educação (Semed), por meio do Centro Municipal de Arte-Educação Aníbal Beça, localizado na Rua J – s/nº bairro São José 3, zona Leste da cidade, realizou no final da tarde dessa terça-feira (13/09) a apresentação do Espetáculo “Parlendas e Cirandas”. O Centro foi criado pela Prefeitura após sanção a Lei Municipal nº 1.448, de 20 de abril de 2010, homenageando um dos maiores ícones da literatura amazonense, falecido em 2009.

Durante o evento foram desenvolvidas ações ligadas à valorização dos talentos artísticos existente no seio escolar, suscitando os dons enraizados em cada criança participante do evento, de acordo com o diretor geral do espetáculo, Pedrinho Sampaio. “O trabalho com essas crianças é a continuidade de algo que a gente vem fazendo há uns 16 anos, entretanto existe um diferencial porque a gente está trabalhando com crianças que supostamente vivem uma vida de risco. Aqui dentro tentamos minimizar essa maneira deles viverem e trazer outros valores, algo que eles aceitam muito bem. O resultado que a gente tem aqui é positivo. E o espetáculo ‘Parlendas e Cirandas’, foi uma maneira de lembrar que existe algo de criança em todos nós”, disse.

Prestigiando o espetáculo e sempre entusiasmado por uma educação eficaz e de qualidade, o Secretário Municipal de Educação (SEMED), Mauro Lippi, enfatizou que a educação musical é tema transversal e que tinha de ser matéria obrigatória para ajudar a desenvolver o lado sensitivo artístico da criança. “Isso recria na criança uma série de potencialidades que vão ajudar não somente na sua preparação física e psicológica, como também emocional de tudo que passamos na vida. Seria fundamental criar e recriar a vida só com música, porque a arte impõe à pessoa uma dedicação muito forte e a escola já têm dogmas que são cumpridos rigorosamente. A musica no CMAE Aníbal Beça está promovendo essa educação que vai fortalecer a sensibilidade e a criatividade das nossas crianças no futuro”, ressaltou.

Instituto do Parlendas e Cirandas

Para o coordenador do Centro Municipal de Artes, Jorge Farache, esse espetáculo ‘Cirandas e Parlendas’ têm por objetivo mostrar um pouco como era a infância antigamente e quanto essas crianças estão desviadas dessa forma ingênua de brincar. “Hoje eles estão muito mais voltados para essas coisas de internet. Não que isso seja ruim, Mas este foco acaba desviando a atenção da criança que se perde na sua própria infantilidade. E esse preparo todo do espetáculo foi bastante dedicado, apesar do pouco tempo de ensaio que eram realizados durante a semana e aos sábados com a colaboração de todos”, finalizou.

O evento foi encerrado com o entoar da música Ciranda, de composição do próprio secretário Mauro Lippi e Ricardo Ceariba, com arranjos de Pedrinho Sampaio.

Filho de Aníbal Beça

O Espetáculo Parlendas e Cirandas é um dos meios de promover cidadania aos que usufruem do local. Tendo seu pai como homenageado, o artista plástico Turenko Beça falou da alegria em representar um ícone da literatura amazonense em um evento de tanta expressão. “Estou muito satisfeito de estar participando dessa homenagem ao meu pai, quando vejo essa criançada empenhada fazendo um trabalho bonito e bem direcionado pelos professores a gente só pode ficar emocionado, quase que chorei. A gente só tem a agradecer a Semed como o Centro de Artes e principalmente as crianças por tudo isso”, registrou.

Homenageado

Aníbal Beça era amazonense, onde nasceu a 13 de setembro de 1946 e faleceu em 25 de agosto de 2009. Era poeta, compositor e jornalista. Desde muito cedo escreveu para suplementos literários e publicações similares nacionais e internacionais.

Além da sua condição artística, foi produtor cultural nato. Foi um profissional que, nos tempos atuais, se encaixaria no rótulo de multimídia, tal a sua abrangência na área artística.

Seu primeiro livro foi “Convite Frugal”, publicado em 1966.

Beça foi membro da União Brasileira de Escritores (UBE), do coletivo Gens da Selva (ONG) e do Clube da Madrugada, entidade instauradora dos movimentos renovadores no campo literário e artístico do Amazonas.